quarta-feira, 27 de dezembro de 2006

A Ti

A ti,
mulher força,
misto de coragem e valentia
lutadora perspicaz,
contra os precalços do dia-a-dia,
com fulgor e arreganho dás
novo rumo à vida, outra poesia!...

A ti,
mulher vida,
de vivência conseguida
e de maleita sofrida.
Jamais te sentes perdida,
mas, por sarcasmo da ferida,
procuras tua própria guarida!...

A ti,
mulher imagem.
Ser proeminente e vivo,
que o desenrolar da vida amorna,
quão mais massacrado, mais activo,
mais lúcido, e relevante, se torna,
numa simbiose que a mística adorna!...

A ti,
mulher amiga,
transportadora de amizades,
porventura de teor diferente,
enriquecedoras de felicidades,
que pelo carisma e valor irreverente
inundam de sonhos a nossa mente!...

A ti,
mulher sofrida,
lutadora incessante,
contra factores circunstanciais,
que vive para diante
deixando o amargo distante
e buscando novos ideais!...

A ti,
mulher razão,
procuras com o coração
a verdade, nua e crua,
e constatas de repelão,
por sobressaltos e paixão,
que a vida continua!...

A ti,
mulher Mãe,
valor de quem dá à luz,
um filho, que chama seu,
sensação se reproduz
e mais uma vida te seduz:
- Eis a prenda que Deus te deu!...

A ti,
simples Mulher,
junto a teu companheiro,
que não tendo tudo o que quer,
mas faça o que fizer,
tem aquilo que é primeiro:
- Um puro amor, Verdadeiro!...

Para Ana Paula Barata (Dezembro/1997), homenagem natalícia

1 comentário:

Luisa Martins disse...

Poema (um daqueles que tu fazes para não esquecer)dedicado a uma querida amiga/madrinha do meu coração.
Adoro este poema, para mim eterno.
Beijinhos
EU