terça-feira, 1 de março de 2011

Inalcançável esperança

Há um pedaço de mim,
perdido na amargura do quotidiano.

Um estado de não sentir…
os traumas que me invadem o ânimo.

Há a razão que não se entende
neste intrépido reboliço do meditar.

Um raiar diferente, do comum,
neste desconsolo tornado tão presente.

Há um ponto de luz…
do qual não encontro o paradeiro.

Um passo jamais dado,
na paragem de todos os sentidos.

Há a esperança!… A esperança?…
mas essa há sempre…
na existência de cada ser humano.

Só que,
muitas vezes,
não se consegue alcançar!...

António MR Martins

1 comentário:

J. Antero disse...

Porque nos parece inalcansável a esperança quando é ela que nos leva ao mundo dos sonhos...
Gostei de o ler.
Um abraço
Antero
http://antero-oliveira.blogspot.com