quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Vendo-se ao espelho

Como te olhas a um espelho,
de tal maneira adorável...
desde a face ao artelho,
num sorriso de cascavel.

Olhas uma e outra vez,
nunca deixas de o fazer.
Um ser da tua tez
só quer o ego fortalecer.

Até no local de trabalho
te afoitas com perspicácia
a veres-te em reflexo.

Ilusório...qual espantalho,
susceptível pela audácia,
pelo resultado: - perplexo!...

António MR Martins

foto in net (RF Royalty Free - "Vaidade")

1 comentário:

Efigênia Coutinho disse...

António MR Martins

Que gostoso ler este soneto, eu já estava saindo, e resolvi abrir seu Blog, foi muito bom, vou dormir feliz com as letras poéticas que aqui pude ler,
Efigênia Coutinho