sábado, 31 de outubro de 2009

O cancro que mama tudo e não deixa nada


Nessa fria dor que é a tua
onde o inesperado acontece,
não se pode ter a Lua
nem tudo o que apetece!...

Sentes teus peitos doridos
pelos nódulos do seu interior…
encontras os dias sofridos
e vives tudo por favor.

Rescaldos duma demora
que outrora desencantaste
e agora urge curar!...

Previne-te em boa hora
do mal que encorajaste,
para o poderes ultrapassar.
António MR Martins
Em alusão ao dia 30 de Outubro de 2009, Dia Mundial do Cancro da Mama
foto da net

2 comentários:

Vera disse...

António, um forte aplauso pelo poema, pela homenagem, por tudo!

Beijinhos

O mar me encanta completamente... disse...

Saudades Antonio,
Fico feliz demais ao ver sua obra literária...
O mundo blogueiro só tem a ganhar com sua presença e escritos dignos
de sua sensibilidade.
Há alguns dias não vinha aqui, aproveitei e me alimentei de
uma farta porção de sua inspiração...
Hoje vim te ler, e compartilhar com você um presente:
Sou a poetisa da semana no Blog do VALTER POETA e
é claro, gostaria que lesse, e caso queira, opine.
É sempre pra mim um prazer e uma honra saber sua concepção,
sua opinião, seu parecer.

Te espero...

http://valterpoeta.blogspot.com


Beijinhos...

Glória