domingo, 15 de março de 2009

Melhor o Silêncio

Não pretendo saber segredos,
Ungir as chagas dos feridos,
Nem perder-me nos sentidos
Dos insanos beijos-torpedos,
E d'amores malsucedidos...

Silencie seus versos vinhedos,
De poemas d'alma despidos,
Com tintos tons deprimidos,
E seus paladares azedos,
Que só estimulam as libidos!

Quero silêncios e degredos,
Solidões dos fracos gemidos,
Quero os abraços reprimidos,
Cravados de gelos e medos,
No meu peito enfim diluídos...

Betha M. Costa

2 comentários:

José Manuel Brazão disse...

Já disse à nossa querida Bethinha que esta foto me põe doido!

O que vale é o Atlântico separar a provocação dela!

Abração



NOTA: A Betha é muito carinhosa comigo e brincamos muito! Tudo o resto é respeito mútuo.

Betha M. Costa disse...

Agradeço de coração a honra ter texto meu publicado num espaço com tão maravilhosos escritores, António.
Bjins, Betha.

Ps- O Zé é maluco por essa foto! rs