segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Prisão eterna

Olho-me no espelho sem me reconhecer
nada do que vejo é reflexo do meu ser
quão embaciada pode uma imagem ficar
não vislumbro o que tanto me atormenta
mas é desta dor que meu corpo se alimenta
do que me consome não me consigo libertar

Caminho pelas ruas desertas deste mundo
palmilho um destino com desgosto profundo
e não há fuga possível desta minha prisão
sou castigado pela minha atitude cobarde
por ter falado de sentimento muito tarde
e na hora devida, ter calado uma paixão

Sofro por um destino cruel, auto-infligido
por uma torpe e vil timidez fui acometido
assim perdi a oportunidade de ser amado
pelos dedos deixei fugir a minha felicidade
mesmo não mentindo, ocultei toda a verdade
e para sempre ficarei preso ao meu passado

Emanuel Lomelino

2 comentários:

Manu disse...

Poeta!
Bem... isto hoje é uma roda viva de pessoal a obsequiar-me com surpresas. Primeiro a Céu Rosário, agora o amigo. Só me resta agradecer o destaque que aqui faz, obrigado.
Forte abraço

sokhengslovekhmer girl disse...

Hi! friend, Could you exchange link with my site? it is new, do hope you do not mind to exchange link
Here's mine
http://khdoc.blogspot.com/

http://khmergay.nibblebit.com/
http://amangay.blogspot.com/
cheer,

Khdoc news