terça-feira, 23 de março de 2010

Céu Estrelado


A blusa
descai devagar...
Solta a corrente de água
Tatuada
Em calafrio, vem almejar.
Desliza o aperto
pelas costas,
Com vontade
No sentido da saia
Aquece em palavras
De um corpo a desnudar
Escritas pelo olhar
Como um céu carregado
de estrelas.
Que a qualquer hora
Te quer amar.
Cristina Pinheiro Moita
in livro "Corpo de Corcel", edições Temas Originais

3 comentários:

Marta Vasil disse...

Gostei de ler este teu poema que põe a "nu a nudez" do corpo.

Beijo

Anónimo disse...

Gostei do seu poema e de toda a sensualidade envolvente neste "corpo que se desnuda".Sou muito sectarista só uma mulher consegue ser tão intensa...
Rosa MªC.R.S.M.

Anónimo disse...

Obrigado António, foi muito bom encontrar um poema meu...no seu blog!

Beijocas primo