sábado, 26 de fevereiro de 2011

deixa. não toques mais.

deixa. deixa, não toques mais. deixa. tenho medo de parecer tarde. mão no coração. amanhã é o dia seguinte. o outono vem sempre depois da primavera. hoje não. tenho um medo. o homem passa por mim com um semideus ao colo. pergunto para onde vai. diz-me que a terra acaba onde a água começa. vou com ele. quero encontrar a água e morrer em paz. reparo que estou grávida, pelo azul do vento trazido nas solas. olhos semi-fechados. queria abrir o mundo. tu sabes. mete-lo numa caixa de música, dar-lhe corda, deixá-lo tocar. amanhã é o dia seguinte. tu sabes. pergunto ao homem onde estava quando me pediram o coração. recua um pouco. o corpo cai-lhe, o semideus no chão. porque não terei medo de um medo nem de outro medo nenhum. que nenhum medo este me transforme em água- pouco antes do anoitecer um pássaro socorre ao meu peito. deixa. deixa ficar assim. não toques mais.

Margarete da Silva

1 comentário:

Educação disse...
Este comentário foi removido pelo autor.