terça-feira, 13 de julho de 2010

como fumo


há um imbecil que se afasta.

-esse imbecil sou eu.

há um idiota que se aproxima.

- esse idiota sou eu.

há um tipo parado no meio dos outros.

- o paspalhão que também sou.


amanhã serei mais nada.

e para tal, nem fico, nem vou:

como fumo,desaparecerei da estrada.

Alexandra Cruz Mendes "Alexis"

1 comentário:

Manuela Fonseca Amaral disse...

Gosto desta poesia!!!
Obrigado pela partilha António.

Beijinhos a ti e à Alexis***