segunda-feira, 19 de julho de 2010

Porto Covo

Breves notas do Alentejo XVIII


Porto Covo


Cantada em muitos momentos
Por uma bela história de amor
Entre muitos ficam lamentos
De uma sentida paixão e dor

Eleva-se o seu parque natural
E os dois fortes que por ali há
Na Ilha do Pessegueiro frontal
E o outro em si do lado de cá

Tem praias das mais diversas
Viradas para o Atlântico azul
E muitos turistas que a visitam

À noite com suas luzes acesas
Num banco da sua praça a sul
Os visitantes sentados meditam


António MR Martins

2 comentários:

Anónimo disse...

encantei com o poema. beijos

Conceição disse...

anónima RoqueSilveira rs