segunda-feira, 16 de abril de 2012

Menina das tranças loiras


Menina das tranças loiras
Que caminhas
À beira da estrada
Levando sonhos embrulhados
Em tule azul celeste
Não vês como é grande e estranha
A saudade
Que paira sobre a tua cabeça

Ora descobre o Sol…
Ora cai a Chuva…

E tu, menina das tranças loiras
Desdobras a saudade
Ao Sol
Enquanto caminhas ansiosa
Na direcção do Cais
Apesar de saberes que lá
A Chuva cai
E os sonhos não voltam

Sentada à beira do Cais
Vês o atracar de navios
Abarrotados de gente
Que vai para o lado de lá
De ti

Subitamente, o mar revolta-se
Com a audácia dos teus sonhos!

E a Chuva cessa…

Olhas para trás
E desejas correr
Em busca do momento perdido
Mas é tarde…

Ficas à beira do Cais
Olhando para os navios
Estáticos e vazios
Abres as mãos
E deixas deslizar
Por entre os dedos
A saudade inútil
Que outrora desdobraste ao Sol
Como sendo destroços
De um naufrágio
Lançados à praia…

Manuela Fonseca

2 comentários:

Manuela Fonseca Amaral disse...

Meu querido amigo,
Obrigado por este miminho que me é tão grato e que me traz à memória boas lembranças de um evento que fiz na Bobadela em 2006 - "Música & Poesia - No Limiar das Palavras". Este poema fazia-se acompanhar pela Janis Joplin em "Litlle Girl Blue" com coreografia minha e da minha nora Ana. Até hoje, está no meu coração.

OBRIGADO!!!

Beijinhos grandes.
Manuela

António MR Martins disse...

Ainda bem que gostas.

Beijinho

António MR Martins