terça-feira, 24 de agosto de 2010

Levitar


A minha boca,
Onde o fogo,
Acende e cintila,
Arde e espera.
Espera… no silêncio
Pelo convite ao voo,
Pelo desejo,
No encontro só nosso.
O momento,
Que mata a nossa sede,
Colhe o calor do verão,
Tão próximos,
No toque nu e inocente dos lábios.
A minha boca,
Leva a beber a tua
Êxtase de doçura e sabores
Dando cor às romãs
E tudo desperta
No beijo.

Luís Ferreira

2 comentários:

Luis Ferreira disse...

Obrigado amigo António pelo teu gesto e pela divulgação das minhas palavras.

Um grande abraço
Luis

Humana disse...

Belo poema onde se sente o calor do verão e da paixão! ;D
Beijinho aos dois poetas maravilhosos.